"É quase de manhã e ainda não dormi, fiquei lembrando o seu olhar."
Scracho.
"Os abraços foram feitos para expressar o que as palavras deixam a desejar."
Anne Frank. 
"Eu quero casar com você, quero acordar do seu lado, quero brigar com você. Quero mandar você calar a boca mesmo sabendo que você não vai calar, e te calar beijando você. Quero provar todos os dias que eu te amo. Quero te fazer feliz, assim como você me faz. Quero morrer de cansaço ao correr atrás de você, depois de uma guerra de travesseiros. Quero dormir com você naquele sofá apertado depois de assistir o seu filme preferido. Quero morrer de rir ao ouvir você me contando uma piada, por mais sem graça que seja. Quero te acordar com vários beijos. Quero dizer que te amo. Eu apenas quero te fazer feliz, como ninguém nunca fez. E tem sido você, e vai continuar sendo você. Por tanto tempo eu quis, e então você chegou. E entenda que eu não quero mais o travesseiro como companhia… É você que eu quero abraçar a noite inteira. Sentir seu carinho durante o sono, olhar para você enquanto estiver dormindo. Dar beijos no seu rosto só para te despertar. E de manhã, te dar um belo “bom dia” para ficarmos o resto do dia nublado, deitados. Eu quero que você se sinta a pessoa mais feliz do mundo, a única capaz de ser pra mim um sonho em noite de insônia. E eu tô aqui, sabe? Pra conversar, brigar, rir, fazer loucuras. Não precisa me contar o que aconteceu ou porque você tá mal. Só me deixa tentar colocar um sorriso no seu rosto. Confesso que encontrei meu motivo pra sorrir. Encontrei alguém que eu queira dividir a minha cama, meu amor e minha vida. Encontrei alguém que aguentasse meu coração enjoativamente doce, e que suportasse meu humor incrivelmente amargo. Alguém que queira meu amor, mas que tenha minha amizade. Alguém que roube minha confiança e leve meu coração de brinde. Alguém que eu queira dormir de mãos dadas e acordar do lado. Alguém pra ser criança como eu. Alguém que tenha teu tempo todo meu e minha vida toda dele. Alguém que deixe o mundo pra me dar um beijo. Alguém que encontrasse o que procurou a vida toda, aqui dentro de mim. Alguém pra eu contar meu dia e alguém pra falar “te amo”. Alguém pra ser meu, de um jeito bem clichê. Alguém pra eu viver aquilo tudo que eu julgava besteira e que hoje é tudo que eu tenho. Eu quero você. Digo, repito, falo outras mil vezes. De trás para frente, de frente para trás. De canto, de lado, da maneira que for. Eu quero você. Que tenha clichê, ciúmes, malicia, sacanagem, egoísmo, afeto, loucuras, falhas, erros, acertos, perdões, beijos, abraços, pegação, sexo, amor, transa, filme juntinho, dormir de conchinha, mãos dadas, que tenha todas as coisas do mundo, mas que seja apenas entre eu e você."
Cazuza.
"Elimine às âncoras que não te levam á lugar nenhum e se agarre aos balões que te permitem voar bem alto"
Desconhecido.
Dizem que Azul é a Cor Mais Quente

Uma força adentra a sala. Uma deusa vestida de aura azul. Que ser poderia ser? Mulher, claro, mas além (mais além do que ser mulher). Caminha por entre aqueles que antes eram o luxo, o alto, o tudo, e agora reduzidos a nada. Meros manequins bem vestidos. A música não adentra meus ouvidos, como se o som desviou-se do caminho e levou junto o burburinho antes quase enlouquecedor. Tudo se cala. O silêncio se cala. Todos meus sentidos maquinaram um complô, tomaram o navio, e à todo vapor comandam toda minha atenção em sua direção. O tecido azul do vestido balança de acordo com seu suave caminhar - meus olhos me traem, a vejo deslizando -, ondula num movimento brusco como num tango, ela pega uma taça. Levíssimo contato entre os lábios e o primeiro gole sempre amargo do pró-seco, porém sua fisionomia continua suave. Suavíssima pele, observo logo a seguir. Quase sinto sua textura, tamanha a sensibilidade que tomou conta de mim. Suaves traços, a linha do nariz, a curva do sorriso, o queixo perfeitamente simétrico. Suave pescoço, clama por língua, entre a perfeita postura dos ombros e o alinhamento da cabeça denotando domínio, poder, confiança. Deus, quem poderá ser, será real, será tocável? Caminha novamente e o ar do ambiente como que se ajusta ao seu redor, de modo a tornar mais confortável sua passagem. Aproxima-se, aura azul, vestido azul, e, agora vejo, azuis também os olhos. Olhos que me olham. Me penetram. Meu corpo é fogo, e as extremidades, gelo. Esqueço-me de tudo - nome, endereço, problemas, técnicas de aproximação. Os olhares ainda dentro um do outro. Não me percebo caminhando até que já estou diante dela. Capturo algo em seus lábios, fala-me e eu não escuto, mas compreendo (como? Novamente os sentidos trabalhando numa trança). Vem. Quando me pego andando de novo, tentando me convencer de que era mesmo isso que ela tinha dito, senão que estaria eu fazendo seguindo aquela entidade de curvas tão perfeitas, sinto como se do seu vestido saíssem correntes, obviamente azuis, presas à mim, mais como provocação que como ordem e restrição. Como quereria eu fugir? Adentramos num dos quartos da mansão. Distante do ambiente festivo, de súbito retorna a mim o meu próprio controle, como se por concessão dela. Agora respiro seu cheiro. Ouço sua voz quase hipnotizante - “Vem”. Vejo o vestido lentamente ir ao chão (e o azul agora preenche todo o quarto), vejo-a toda. Chego mais perto. Toco sua pele, toco seu sexo. Provo sua boca. Finalmente, atendo ao clamor de sua nuca que pedia língua. “Preenche-me”, implora, entre outros sons. E eu, obediência, subserviência, atenção e completa presença. Completo delírio. Acordo.

"Está vazio e frio sem você aqui."
Avenged Sevenfold.